PIB agropecuário cresceu 1,8% em 2015, mas resultado foi o mais baixo desde 2012.

O PIB do setor agropecuário foi o único a apresentar crescimento em 2015, com avanço de 1,8% na comparação com 2014. Apesar do resultado positivo no PIB agropecuário, o crescimento foi o pior resultado desde 2012. Dentre as principais culturas, a soja foi a que apresentou maior crescimento, alta…

leia mais

PIB 2015 recua 3,8%, apresentando a maior retração dos últimos 25 anos.

O IBGE divulgou hoje pela manhã o PIB do 4º trimestre de 2015, que apresentou contração de -1,4% na passagem do 3º tri/15 para o 4º tri/15, com ajuste sazonal. Na comparação com o mesmo período do ano passado, o PIB brasileiro encolheu -5,9%, levando o PIB brasileiro a…

leia mais

Setor Público apresenta superávit de R$ 27,9 bi em jan/16, porém segue desafiador o cumprimento da meta de primário este ano

Seguindo o resultado anunciado pelo Tesouro Nacional (superávit de R$ 14,8 bi), o Banco Central divulgou hoje sua nota de Política Fiscal do setor Público consolidado para jan/16. A nota registrou superávit primário de R$ 27,9 bi para o setor público consolidado, no qual o Governo Central e os…

leia mais

IPCA-15 de fev/16 surpreende e acelera mais que o previsto, devido aos preços de alimentos, transportes e educação.

O IPCA-15, prévia da inflação oficial, apresentou variação de 1,42% na passagem de jan/16 para fev/16, de acordo com o dado divulgado pelo IBGE. O indicador acelerou fortemente em relação ao mês anterior, quando havia apresentado variação de 0,92%. O resultado de fevereiro foi superior a mediana esperada pelo…

leia mais

Taxa de desemprego da PNAD (9,0%) não traz surpresas no trimestre de setembro a novembro de 2015.

No trimestre móvel encerrado em nov/15 (set-out-nov), segundo dados do IBGE na PNAD Contínua, a taxa de desocupação foi de 9,0% da População na Força de Trabalho. Tal resultado demonstrou avanço no trimestre, de 0,3 p.p. (ante jun-jul-ago) e 2,5 p.p. na comparação com o mesmo tri encerrando em…

leia mais

IBC-BR de 2015 reforça nossa projeção de -3,9% para o PIB de 2015 e próximo de -3,0% para 2016.

O indicador de atividade do Banco Central (IBC-BR), tido como proxy do PIB brasileiro, confirmou a forte recessão vivida pela economia brasileira em 2015, que deverá se aprofundar em 2016. Em dez/15, o indicador recuou 0,52%, na comparação mensal com ajustes sazonais, após contração de 0,64% em nov/15, sendo…

leia mais

Inflação em Jan/16 acelera puxada pelos preços dos alimentos e reajuste dos transportes públicos

O IPCA de jan/16 registrou inflação mensal de 1,27%, acelerando ante o mês de dez/15, quando havia apresentado variação de 0,96%. Com esse resultado, a inflação acumulada em 12 meses avançou, de 10,68% em dezembro, para 10,71% neste mês, sendo a taxa mais alta desde nov/03 (11,02%). Comparando o…

leia mais

Produção industrial recua 8,3% em 2015, reportando o pior resultado para série desde 2003

O indicador de produção industrial, elaborado pelo IBGE (PIM-PF), apresentou queda pelo 22º mês consecutivo na comparação interanual. Em dezembro/15 o resultado foi de -11,9% em relação ao mesmo mês do ano anterior. Já na comparação mensal, o indicador apresentou recuo de 0,7%, ajustado sazonalmente, seguindo a sequência de…

leia mais

Déficit do Setor Público atinge 1,9% do PIB em 2015. Expectativa é que recue para próximo de 1% em 2016.

Seguindo o resultado anunciado pelo Tesouro Nacional (déficit de R$ 61,6 bi), o Banco Central divulgou hoje sua nota de Política Fiscal do setor Público consolidado para dez/15. A nota registrou déficit primário de R$ 71,8 bi para o setor público consolidado, no qual o Governo Central e as…

leia mais

Ata do COPOM coloca bastante peso no setor externo para justificar manutenção da Selic

Em nossa interpretação, a ata da reunião do COPOM de janeiro/16 buscou justificar a opção pela manutenção da taxa Selic. Conforme esperado, este novo documento trouxe alterações significativas, incorporando recentes desdobramentos da conjuntura econômica internacional principalmente, além de uma expectativa de atividade doméstica mais deteriorada e câmbio mais desvalorizado….

leia mais