uipi-Copom-reduz-taxa-de-juros-120712

Novamente nosso caro economista chefe, Rafael Leão, acerta nas suas previsões e comentários acerca da economia. Segue a entrevista concedida pela “Broadcast”

 

PARALLAXIS/RAFAEL LEÃO: COM REPETIÇÃO DE COMUNICADO, COPOM DEVE MANTER RITMO DE ALTA DA SELIC

 

São Paulo, 04/03/2015 – A decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, de aumentar a taxa básica de juros (Selic) em 0,50 ponto porcentual, para 12,75% ao ano, ratificou a expectativa do economista-chefe da Parallaxis Consultoria, Rafael Leão. Em entrevista ao Broadcast, ele ressaltou, porém, que a simples manutenção do conteúdo do comunicado gerou a interpretação de que o processo de ajuste deve continuar na mesma magnitude no encontro de abril da diretoria do Banco Central.

“Com a repetição do comunicado, acredito que haverá uma continuidade do ritmo de ajuste na Selic”, afirmou Leão. “A expectativa de inflação ainda segue muito acima do teto da meta e seria muito difícil justificar uma parada, mesmo que técnica, nas próximas reuniões, se as expectativas não começarem a ceder”, acrescentou.

O economista-chefe da Parallaxis Consultoria fazia parte da corrente dominante do mercado financeiro que previa uma alta de 0,50 ponto porcentual na reunião de março do Copom. Segundo levantamento do AE Projeções, 73 das 78 instituições consultadas esperavam esse procedimento dos diretores do BC.

A repetição do comunicado em março e a interpretação de que o ritmo de alta será mantido no mês seguinte fez com que Leão alterasse a projeção da Parallaxis Consultoria para a reunião de abril: de uma alta de 0,25 ponto porcentual para um aumento de 0,50 ponto porcentual. Com isso, houve modificação também na expectativa para a Selic no fim de 2015.

“Já acreditávamos antes que 13% seria piso. Estamos mudando o call para 13,50% no fim deste ano, com 50 pontos-base na próxima reunião e mais 25 pontos-base na seguinte, entrando, na sequência, em um período de manutenção”, explicou. “Mas esse cenário deverá acontecer se as expectativas de inflação começarem a ceder. Caso contrário, isso coloca o BC numa saia justa”, opinou.

Para o economista, a ata do Copom, que será divulgada na semana que vem, deve “jogar luz” sobre a avaliação que o BC está fazendo da atividade econômica este ano. O documento, segundo Leão, deve trazer o que o Banco Central espera das expectativas do mercado daqui para frente. (Flavio Leonel – flavio.leonel@estadao.com)