Yellow grain ready for harvest growing in a farm field

Segundo estimativa do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, USDA, em seu último relatório divulgado no dia 12/07/16, a produção global de grãos selecionados (cevada, milho, painço, grãos mistos, aveia, centeio, sorgo, trigo, soja e algodão) deve ser de 2.870 milhões de toneladas durante a safra 2015/16, alta de 2,71% em comparação com a safra 2015/16, que deverá encerrar em 2.794 milhões de toneladas. Segundo estimativa do departamento o consumo global deve ser aproximadamente igual à produção, devendo atingir 2.866 milhões de toneladas, com alta de 2,7%. Dessa forma, se espera que os estoques encerrem a temporada com uma leve alta de 0,4%, passando de 687 para 690 milhões de toneladas.

g1

A relação entre estoques globais e consumo global é esperada em encerrar a safra com uma retração de 0,5 p.p, com expectativa de queda nas culturas de algodão (-12 p.p), soja (-2,5 p.p), cevada (-2,1 p.p), centeio (-1,1 p.p), sorgo (-0,7 p.p), milho (-0,4 p.p) e grãos mistos ( -0,1 p.p).

g2

Algodão

Podemos destacar a forte queda nos estoques de algodão em pluma, podendo apresentar uma redução de 9% durante a safra 2016/17 frente à safra 2015/16.  Os estoques globais de algodão devem atingir o menor patamar dos últimos cinco anos, apesar dos resultados ainda continuarem extremamente elevados, correspondendo a 81,8% do consumo global e 89% da produção mundial. A produção global de algodão tende a se manter em baixa pelos próximos anos, uma vez que, com os produtores receosos frente à rentabilidade, a área plantada da pluma tem apresentado forte retração, com queda de 16,1% nas últimas seis safras. Além da queda na área plantada, também observamos um aumento no consumo dos estoques chineses devendo passar de 13,23 para 11,25 milhões de toneladas. As importações chinesas apesar de dever apresentar estabilidade nessa temporada, apresentaram uma alta retração nos últimos anos.

g3

Arroz

A produção mundial de arroz está concentrada principalmente na Ásia oriental, em países como o China (30,47%), Índia (21,84%), Indonésia (7,61%) e Bangladesh (7,18%), sendo estes também os principais países consumidores do grão.  Com o fenômeno “El Niño”, reduzindo as chuvas no sudeste asiático, a produção global apresentou uma retração 1,68% durante a safra 2015/16 em comparação com a safa 2014/15. A produção de arroz, no entanto, deve voltar a se recuperar nessa safra, com estimativa de apresentar resultados recordes, com expectativa de crescimento de 2,25% em comparação com a safra passada, a um total de 481,23 milhões de toneladas. O consumo global de arroz também deve ser recorde, totalizando em 480,62 milhões de toneladas, alta de 0,81% em comparação com a safra 2015/16. Com uma produção acima do consumo, se espera que os estoques aumentem em 0,64%, totalizando em 107,30 milhões de toneladas, correspondendo a 22,3% do consumo global.

g4

Soja

O consumo global de soja tem apresentado um crescimento constante nos últimos anos, podendo apresentar um crescimento de 91,6% nessa safra em comparação com a safra 1999/2000. Apesar da produção de soja também haver apresentado um aumento considerável, alta de 85,4% na comparação com o mesmo período supracitado, esse foi levemente inferior ao crescimento do consumo, o que tem ocasionado numa retração nos estoques globais da oleaginosa durante as últimas três safras. A produção global de soja deve atingir durante a safra 2016/17 um total de 325,95 milhões de toneladas, alta de 4,05% em comparação com a safra de 2015/16, de 313,25 milhões de toneladas, devido a uma expectativa de incremento na safra brasileira e na safra argentina. O departamento americano estima que a produção americana deva apresentar uma retração de 1,3% em comparação com a safra passada, contudo, o departamento voltou a aumentar a estimativa de safra em comparação com junho, de 103,41 milhões de toneladas.

g5

Milho

O milho é a cultura mais consumida no mundo, utilizado tanto para consumo humano quanto para fabricação de insumos para produção pecuária. A produção de milho durante a safra 2015/16, deve apresentar uma retração de 4,21%, passado de 1008,78 para 966,36 milhões de toneladas, devido uma queda na produção de 17,64% na produção brasileira, devido a uma maior migração de produtores para cultura da soja na primeira safra, além das adversidades climáticas relacionadas ao fenômeno “El Niño”. A segunda safra, também conhecida como “safrinha”, era esperado em equalizar a relação entro a oferta e demanda, contudo a forte estiagem no período de crescimento da planta levou a uma forte perda na produtividade. Os Estados Unidos também apresentaram perda na produção de milho durante a safra 2015/16, passando de 361,09 para 345 milhões de toneladas. Para a safra 2016/17, contudo, a produção de milho tende a voltar a se equalizar apresentando um crescimento de 4,59%.  O consumo de milho também deve voltar a crescer durante a safra 2016/17, com expectativa de atingir um total de 1.009,25 milhões de toneladas, praticamente igual à produção esperada de 1.010,74 milhões de toneladas. Dessa forma, se espera que os estoques finais do cereal se mantenham praticamente inalterados, com uma leve alta 0,94%.

g6

Trigo

O trigo é o segundo grão mais consumido no mundo, com expectativa de atingir um total de 729,22 milhões de toneladas durante a safra 2016/17. A produção de trigo, contudo, deve se manter em patamares semelhantes aos da safra de 2015/16, com uma leve expectativa de alta de 0,58%, apresentando, contudo, resultados recordes. Apesar do aumento no consumo, os estoques globais de trigo também tendem a atingir patamares recordes, de 253,7 milhões de toneladas, correspondendo a 34,8% do total consumido no mundo. Com uma produção de trigo superando o consumo pelo quarto ano-safra, consecutivo, e uma possível queda 1% nas exportações, os preços do trigo podem apresentar uma retração nessa safra.

g7

Para ler em PDF, clique aqui!


Parallaxis Consultoria | parallaxis.com.br – Avenida Paulista, 1159 – Cj. 1004 – São Paulo, SP

Tel: +55-011-3101-1368

Research Macro: Rafael Leão, Diego Machado, Fábio Ralston.

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela Parallaxis Consultoria e é distribuído apenas para clientes, com a finalidade única de prestar informações sob indicadores econômicos em geral. Não possuindo a Parallaxis Consultoria qualquer vínculo com pessoas que atuem no âmbito das companhias analisadas, assim como a empresa não recebe remuneração por serviços prestados ou apresenta relações comerciais com as companhias analisadas. Apesar de ter sido tomado todo o cuidado necessário de forma a assegurar que as informações no momento em que as mesmas foram colhidas, a precisão e a exatidão de tais informações não são por qualquer forma garantidas e a Parallaxis Consultoria por elas não se responsabiliza. Os preços, as opiniões e as projeções contidas nesse relatório estão sujeitos a mudanças a qualquer momento sem necessidade de aviso ou comunicado prévio. Este relatório não pode ser interpretado como sugestão de compra ou de venda de quaisquer ativos e valores imobiliários. Este relatório não pode ser reproduzido, distribuído ou publicado por qualquer pessoa, para quaisquer fins.